Referência em controle microbiológico

Referência em controle microbiológico

Startup usa nanotecnologia para controle microbiológico

Hoje, em todo o mundo, as bactérias são as responsáveis pela morte de mais pessoas e de animais do que pelo câncer. Elas estão em toda a parte. No bico que a criança vai colocar na boca, no piso cerâmico de uma casa, nos jalecos de hospitais e até nos bebedores de gado de corte ou de vacas leiteiras.

Para combater esse temível perigo invisível, a startup TNS, de Florianópolis (SC), com apenas três anos de mercado, criou também um invisível, mas poderoso antimicrobiano capaz de eliminar fungos e resistentes bactérias. A empresa, formada por nove doutores, químicos e engenheiros com experiência internacional, produz um antimicrobiano através da nanotecnologia, uma tecnologia que trabalha em escala nanométrica, ou seja, 100 mil vezes menor que um fio de cabelo. Assim, a empresa extrai da prata, um produto nobre, 100% do Brasil, nanopartículas que vão combater as bactérias em diferentes lugares, seja numa casa de família, lugares públicos ou em locais de criação e convívio de animais.

A atuação antimicrobiana ocorre pelo contato direto das nanopartículas de prata produzidas pela TNS com a membrana celular das bactérias. Essas nanopartículas liberam íons (Ag +) que afetam funções respiratórias das bactérias, impedindo sua reprodução. Dessa forma, a nanopartícula produzida pela TNS, por exemplo, aplicada num singelo bebedor no meio de um campo rural vai evitar a contaminação de uma vaca leiteira.

O sócio e diretor de operações da TNS, Gabriel Nunes, reconhece e constata o crescimento da empresa está sendo muito rápido e sustentável. “É na crise que surgem as oportunidades: no primeiro semestre de 2015 faturamos o proporcional a todo o ano de 2014”.

Mesmo com poucos anos de vida, a TNS já foi reconhecida pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) como uma das empresas mais inovadoras do Brasil. Nesta ainda curta trajetória, a empresa já recebeu 12 diferentes prêmios, todos pela inovação, por utilizar a nanotecnologia e pela importância de atuar na saúde e no bem-estar das pessoas e de animais.

Gabriel Nunes também observa que o mercado da saúde alimentar e do bem-estar das pessoas no Brasil, mesmo com a crise na economia, vem crescendo nos últimos anos a uma média de 25%. Assim, a indústria que atua nesse mercado e que quer agregar valor aos seus produtos, está disposta a investir no antimicrobiano que garanta um consumo alimentar seguro. A indústria em geral também pode colocar esse antimicrobiano numa blusa, numa calça, em todos os brinquedos para criança, na tinta de parede, em diferentes pisos e outras aplicações.

O diretor da TNS acredita que nos próximos anos a empresa esteja em grande parte focada para atender de forma ampla o agronegócio brasileiro. “Queremos apresentar uma solução antimicrobiana integrada para todo o agronegócio, que proteja a propriedade do produtor e assegure um consumo saudável dos diferentes alimentos”. Ele acredita que a essa produção do agronegócio brasileiro, protegida das bactérias, poderá ser o grande diferencial do Brasil para aumentar suas exportações de alimentos para diferentes países.

Sem dúvida, o mundo todo está cada dia mais preocupado com saúde e bem-estar. Mesmo no Brasil, já a maior parte das licitações públicas, especialmente de hospitais e espaços de uso público, exigem a utilizações de produtos antibacterianos. Não é sem razão que a renomada consultoria americana Grand View Research prevê que o mercado global de nanopartículas antimicrobianas vai alcançar um volume de produção no valor de US 2,4 bilhões em 2022, ou seja, cerca de R$ 7 bilhões.

A TNS

Fundação: 2009

Mercado: lançamento de produtos a partir de 2012

Sede: Florianópolis (SC)

Número de colaboradores: 9

Produtos: nanopartículas de prata para combater bactérias e reveladores de doenças para uso animal

 

Link: http://empreendedor.com.br/noticia/startup-usa-nanotecnologia-para-criar-antimicrobio/, 10/07/2015.

Texto de: Acari Amorim