Tendências da indústria jeans em novos aditivos

Tendências da indústria jeans em novos aditivos

Panorama da indústria jeans brasileira

Que o jeans é a peça de roupa mais democrática e abrangente no guarda-roupas do brasileiros, isso já não é novidade. Do operário ao CEO, peças a base desse tecido contemplam uma infinidade de cores e acabamentos, proporcionando uma roupa versátil para diversas ocasiões.

Além da versatilidade, a fabricação de jeans no Brasil andou na contramão do resto do setor têxtil. Num período compreendido entre 2008 e 2012, o crescimento desse setor no País atingiu impressionantes 27% – ante 4% do resto do mercado no mesmo período [1]. Para completar, só o mercado jeans no Brasil é estimado em R$ 7bi, com 320 mil empregos dependendo desse produto tão universal [2]

Diante dessas informações, a indústria jeans tem sido uma ótima fonte de oportunidades. Mas o que pode ser trazido de novo para ela?


  • Antes de continuar com a leitura, não esqueça que você pode preencher o formulário abaixo e ficar por dentro de todas as novidades do blog. Caso esteja interessado em uma consultoria sobre as aplicações dos nossos antimicrobianos, não esqueça de expressar sua necessidade.


Como inovar em um mercado tão promissor?

Apesar de números tão promissores, a indústria de denim no Brasil requer constante busca por inovação, a exemplo do que é feito no mercado estadunidense e europeu. Peças que não geram mau cheiro em decorrência do uso já são realidade lá fora – aqui no País estão sendo cada vez mais introduzidas. Inclusive, o presidente de uma das maiores fabricantes mundiais desses artigos incentiva que seus clientes não lavem suas calças jeans – numa referência clara ao emprego de aditivos antimicrobianos nessas peças e contribuição para a extensão da vida útil desses produtos. Com menos lavagens, você mantém a cor e a qualidade das fibras por muito mais tempo. Não só o consumidor se beneficia por ter um produto de alta qualidade em seu guarda-roupas, como também a natureza pela redução do consumo de água nas lavagens.

Numa tendência também crescente, o emprego de repelentes de mosquito na própria peça de roupa atrai clientes cada vez mais preocupados com a epidemia de dengue e zika vírus presente no Brasil. O produto, que contém princípios ativos sustentáveis e presentes na natureza, se opõe à permetrina, que por sua vez já encontra resistência no mercado externo em virtude de sua toxicidade.

Aplicação industrial de novos aditivos para jeans

Seja no combate a fungos e bactérias através de aditivos antimicrobianos, ou na aplicação de repelentes nano encapsulados para controle de dengue e zika vírus, a indústria de beneficiamento de jeans pode e deve se valer de novos aditivos para seus produtos. Graças ao emprego da nanotecnologia, o encapsulamento dos princípios ativos de repelência e antimicrobiano garantem efeito estendido, evitando que o acabamento se perca em um curto espaço de tempo. O primeiro tem resistência média superior a 20 ciclos de lavagem, ao passo que os antimicrobianos contam com solidez diferenciada, superior a 50 ciclos de lavação, dependo do processo. E o melhor: a aplicação não requer o emprego de novos equipamentos ou etapas, uma vez que a ancoragem das nanocápsulas na fibra do tecido se dá nas mesmas etapas regulares de tratamento utilizando outros auxiliares têxteis (tinturaria e beneficiamento). Com isso, é possível manter baixo o custo de produção mesmo com uma nova funcionalidade nos tecidos.

Quer saber um pouco mais sobre o processo de incorporação de nossos nano encapsulados e antimicrobianos em jeans ou em outros tecidos? Nossa equipe de consultores está à disposição para maiores esclarecimentos sobre o tema. Entre em contato com a gente hoje mesmo e venha inovar conosco!

TNS_CTA_eBook14_NanotecnologiaTextil