Antimicrobianos contra o mau odor: fique por dentro!

Antimicrobianos contra o mau odor: fique por dentro!

Acostumar-se com o próprio odor é algo normal de acordo com a ciência.  Sendo uma via de mão dupla. Cheiros agradáveis tendem a ficar cada vez menos perceptíveis, na mesma medida que aromas pungentes obedecem aos mesmos padrões. Mas por que aquela camiseta ou meia usada, com o passar das horas quando não lavada obtém aroma tão repulsivo? A resposta está nas bactérias presentes na nossa pele e na sua íntima relação com o suor secretado. O contado direto do tecido com a pele, ajuda não somente na transferência e absorção de fluídos do corpo para a peça de roupa, mas também na passagem de bactérias para o tecido em questão. A combinação desses dois fatores é a receita para o mau cheiro. Leia mais abaixo.


  • Antes de continuar com a leitura, não esqueça que você pode preencher o formulário abaixo e ficar por dentro de todas as novidades do blog. Caso esteja interessado em uma consultoria sobre as aplicações dos nossos antimicrobianos, não esqueça de expressar sua necessidade.


Quais as principais causas do mau odor?

O corpo humano possui dois tipos de glândulas sudoríparas: écrinas e apócrinas. Glândulas écrinas estão presentes por toda a extensão do corpo e basicamente são responsáveis pela secreção de água presente no suor. Sua principal função é a regulação da temperatura corporal durante a exposição a um aumento de temperatura ou de atividade física. Glândulas apócrinas por sua vez estão localizadas em zonas específicas do corpo como por exemplo axilas, e estão relacionadas com a liberação de aminoácidos e lipídios, tendo essas moléculas papel chave na razão para o mau odor decorrente do suor.

O suor propriamente dito não possui odor algum para humanos, é a rápida multiplicação bacteriana na presença do suor e o que elas fazem (metabolização do suor em seus subprodutos) que eventualmente causam odor. Percebido como desagradável, possui maior ocorrência em zonas com alta umidade tais como axilas, região genital, pés e em menor extensão por todo o resto da pele.

Os dois tipos mais comuns de ácidos presentes em regiões com elevado odor corporal são:

  • Ácido Isovalérico: Ácido carboxílico de baixo peso molecular, possui aroma desagradável sendo muito relacionado com o forte odor resultante da sudorese. Composto resultante dos processos metabólicos da bactéria Staphylococcus epidermidis.
  • Ácido Propiônico: Sendo um metabólito bacteriano das Propionibacterium, estas são responsáveis pela conversão de aminoácidos em ácido propanoico. Estas bactérias se encontram majoritariamente nos dutos das glândulas sebáceas de humanos adultos. A metabólito ácido propanoico possui odor pungente muito parecido com vinagre.

Como os aditivos antimicrobianos TNS podem ajudar?

A pergunta a ser respondida é a seguinte: Como acabar com o mau odor em tecidos sem interferir nos processos de regulação de temperatura do organismo? A resposta é simples: adição de antimicrobianos na etapa de beneficiamento secundário do tecido ou em ciclos de lavagem posteriores. Antimicrobianos em geral possuem dois mecanismos de ação, a inibição do crescimento (bacteriostático) ou ação letal (bactericida). Para a inibição do odor em tecidos os bactericidas são indicados por conta da sua excelente ação desinfetante onde o alvo não possui meios inerentes de defesa, sendo a letalidade o objetivo principal.

Das classes de antimicrobianos utilizados pode-se citar:

  • Nanopartículas de prata: possuindo partículas de baixo raio, porém altíssima área superficial. Atua na entrega eficiente de íons de prata na superfície das bactérias. Seu mecanismo de ação se baseia em duas frentes, atuando na lise celular da bactéria ocasionando a sua morte e também a ligação desses íons com ligantes nas vizinhanças das bactérias, impedindo-as de alcançarem seus alvos. Produto com excelente solidez (resistência à lavagens), muito indicado para o beneficiamento secundário dos tecidos.

Ação de NpAG, Nanopartículas, TNS, Nanotecnologia, mau odor

  • Quaternário de amônio: derivado da alquilação de aminas, possui ótima ação bactericida. Age ligando-se permanentemente com fosfolipídios e proteínas de membrana, impedindo a permeabilidade e prejudicando processos vitais da bactéria. Em contraste com as nanopartículas, o quaternário de amônio possui baixa solidez, com indicação para o tratamento em ciclos de lavagem posteriores.

Quaternario, TNS, Nanotecnologia, mau odor

Tome a dianteira

A TNS desenvolve e comercializa aditivos antimicrobianos, com ação antibacteriana. Sendo para beneficiamento têxtil geralmente em forma líquida e sem a necessidade de alteração do seu processo produtivo. Ainda, pode ser baseado em nanotecnologia ou não. Os aditivos antimicrobianos TNS não alteram as características do produto final. Garantimos ação antimicrobiana sem alterar os parâmetros que você considera mais importantes!

Fale com nossos consultores e torne-se um protagonista no mercado. Temos um time totalmente capacitado para implementar nossas soluções em seus produtos.

Mau odor, Nanotoxicologia, normas, testes, TNS, antimicrobianos