Produção de laminados de madeira com antimicrobiano TNS

Produção de laminados de madeira com antimicrobiano TNS

Versáteis, práticos e de fácil limpeza. O uso de laminados de madeira (ou melamínicos, devido ao amplo emprego desta matéria prima em sua produção) na casa dos brasileiros é um fenômeno relativamente recente – começou de fato dos anos 90 para cá – porém seu uso tem sido amplamente utilizado não só pela fácil instalação, mas também pelas vantagens na hora de efetuar sua manutenção.


 

Antes de continuar com a leitura, não esqueça que você pode preencher
o formulário abaixo e ficar por dentro de todas as novidades do blog.


O mercado de laminados e perspectivas para 2018

O mercado de laminados, que sofreu com a retração econômica nos últimos na esteira do setor de materiais de construção, vê 2018 como uma oportunidade de retomada. Segundo dados da Abramat (Associação Brasileira de Materiais de Construção) a estimativa é de um crescimento de 2% nas vendas no próximo ano, frente à forte retração de 5% experimentada neste ano de 2017. A produção destes laminados é feita em sua grande maioria no mercado brasileiro. Para se ter uma ideia do avanço desta aplicação no mercado doméstico, a produção registrou crescimento forte de 63% entre os anos de 2007 e 2016, atingindo o importante patamar de quase 12 milhões de metros quadrados no ano passado (fonte). Cabe lembrar que a produção é totalmente sustentável, tendo como base a extração controlada e certificada de árvores de pinus e eucalipto. Além disso, organizações como FSC e Cerflor fazem a auditoria e controle do manejo e da utilização das matérias-primas.

Como é feita a produção de laminados de madeira?

Muito embora estes pisos sejam tenham cores, desenhos e aspectos diferentes, pode-se dizer que sua produção é relativamente simples. O início da produção é muito parecido com a produção de chapas de compensado comum. Em determinado momento, a camada mais externa do piso laminado, que muito se assemelha a um papel de gramatura alta, recebe a primeira aplicação de resina (que, como comentado anteriormente, normalmente é do tipo melamínica). Nesse primeiro banho a aplicação da resina é feita, preenchendo os espaços vazios do papel e tornando-o por consequência mais liso. Posteriormente ao primeiro banho o papel passa por um forno de aquecimento, com o objetivo de conferir uma cura térmica na primeira camada. A etapa de cura, por sua vez, é sucedida por uma nova aplicação de resina, a qual é feita por rolos reticulados. Tais rolos conferem mais uma camada ao papel, preenchendo os espaços ainda não preenchidos na primeira etapa. Após esses dois banhos, o laminado como um todo passa pelo acabamento final, onde, por exemplo, será prensado e receberá as ranhuras em sua superfície (que podem ter vários padrões dependendo do desenho e do tipo de papel utilizado).

Como e por que aplicar os aditivos antimicrobianos nesse produto?

A aplicação de aditivos antimicrobianos em laminados se dá em seu processo industrial, durante os banhos. O momento ideal para que tais aditivos sejam empregados é no segundo e último banho, visto que a camada ali aplicada será a mais externa. Tal aspecto é importante, visto que a funcionalização dos aditivos antimicrobianos se dá, principalmente, pelo contato com os microrganismos na superfície dos pisos laminados. Cada indústria possui suas singularidades, desta forma a TNS conta com diferentes princípios ativos os quais podem ser empregados neste tipo de processo. Falamos de outros possíveis métodos de aplicação de antimicrobianos em madeiras neste artigo.

A incorporação de aditivos antimicrobianos em pisos laminados segue uma tendência observada há vários anos na Europa e EUA, onde a preocupação por ambientes mais saudáveis e protegidos de doença se faz presente todo o momento. Aplicados em quartos, cozinhas e salas, tal funcionalidade protege a todos de microrganismos causadores de doenças (bactérias, fungos e etc). Em ambientes hospitalares sua utilização é ainda mais importante, visto que a proteção comprovada dos aditivos TNS frente a bactérias como a Acinetobacter protege pacientes de infecções hospitalares graves. Para estes casos, costumamos recomendar que os testes de eficiëncia antimicrobianos sejam conduzidos através da norma japonesa JIS Z 2801, uma vez que esta é uma das mais empregadas para superfícies não porosas.

Ficou interessado em aplicar aditivos antimicrobianos em sua indústria de laminados de madeira? Entre em contato com nosso time de especialistas e saiba mais!

Ebook Laminados Sintéticos - Utilidade, Tecnologia e Segurança (Caimi&Liaison)